o-que-fazer-na-europa-austria-hallstatt

Muito provavelmente você nunca ouviu falar, mas a Doença de Dupuytren é bastante comum.

A doença foi descrita pela primeira vez em 1831 pelo cirurgião francês Guillaume Dupuytren e por esse motivo leva seu nome. É uma doença genética com herança familiar e tem sua origem na Europa, sendo extremamente comum nos países nórdicos como Noruega, Islândia e Escócia. No Brasil, devido a nossa miscigenação, a doença também é encontrada frequentemente contudo, em menor número que nos Estados Unidos e Europa. Para se ter uma noção da dimensão da doença, nos EUA estima-se que existam 10 milhões de pessoas acometidos por ela.

Mas o que é isso exatamente?

Dupuytren é uma doença nas mãos do tecido localizado abaixo da pele chamado fáscia. Esse tecido encontra-se doente e pode evoluir com contratura dos dedos, dificultando o paciente em abrir as mãos. O quinto dedo (mindinho) e quarto dedo (anelar) são os mais comumente afetados, seguidos do polegar. Entretanto, nem todos os pacientes evoluem com a contratura e dificuldade em abrir as mãos, alguns apresentam apenas nodulações ("carrocinhos") na palma da mão, que costumam coçar mas não causam dor.

Esta patologia costuma aparecer na população idosa, após os 60 anos, sendo muito incomum em pessoas jovens menores de 40 anos. É mais frequente nos homens por ter seu aparecimento mais precoce, nas mulheres costuma aparecer após os 70 anos. Além disso, ela é mais comum em diabéticos, fumantes, pessoas que tem colesterol alto e epilepsia, por razões desconhecidas.

Dupuytren’s-Disease-850x595
hands-aboutus

Como eu descubro se tenho a doença?

O diagnóstico é clínico não sendo necessário nenhum tipo de exame de imagem. Procure um especialista de mão que ele irá reconhecer a doença e lhe guiar nas diferentes formas de tratamento.

Doença de Dupuytren tem cura?

Infelizmente, a doença não tem cura. Atualmente, não existe nenhum medicamento que previna seu aparecimento ou faça a doença desaparecer. Entretanto, felizmente existe tratamento para as contraturas com objetivo de devolver o movimento próximo à normalidade. Isso é feito de forma cirúrgica e o seu cirurgião de mão irá lhe auxiliar em tomar a decisão de quando realizar o procedimento e qual procedimento realizar.

Como são esses procedimentos cirúrgicos?

Existem 2 tipos de procedimentos. A cirurgia aberta na qual é realizado um corte na mão e retirado o tecido doente que está causando a contratura. A outra opção é a cirurgia minimamente invasiva que é realizada com agulha sem realizar um corte na mão. Nesse caso o tecido doente é cortado mas não é retirado. A vantagem da cirurgia aberta é que ela tem menor recorrência (chance de voltar) que a cirurgia minimamente invasiva com agulha. A desvantagem é que a recuperação é mais demorada. Conversando com seu cirurgião ele poderá lhe auxiliar nessa decisão.

Então mesmo operando a contratura pode voltar??

Sim, ela pode voltar no dedo operado ou aparecer em outro dedo, pois como dito  acima a doença não tem cura. A taxa de retorno depende da agressividade da doença, em algumas pessoas ela é mais branda em outras mais agressiva, e no tipo de cirurgia realizada. Por esses motivos, quando operar é uma decisão importante que deve ser feita em conjunto, paciente e cirurgião.

Existe uma fundação internacional que realiza pesquisas para tentar descobrir a cura da doença e para educar a população, vale a pena conhecer. Vou deixar o link e um video muito legal realizado por ele abaixo:

Dupuytren Research Group

 

Você acha que tem a doença? Marque uma consulta. Gostou desse conteúdo me siga no Instagram ou Facebook.

error: Conteúdo protegido, caso queira compartilhar algo entre em contato.