carpaltunnel_1280

Antes de falar sobre a síndrome do tunel do carpo, é importante saber:

O que é o túnel do carpo?

O túnel do carpo é uma região do punho onde passam nove tendões responsáveis pelos movimentos de flexão dos dedos e o nervo mediano. O nervo mediano é a grande estrela desse assunto. Ele é responsável pela sensibilidade do polegar, do dedo indicador, dedo médio e metade do quarto dedo. Além disso é responsável por dar movimento a musculatura que realiza a oponência do polegar - habilidade de colocar o polegar de frente aos outros dedos. Bastante importante, concorda?  Pois bem, este túnel é em parte composto pelos ossos do punho e, em parte composto pelo ligamento transverso, que forma o seu teto.

O que é a síndrome do túnel do carpo, então?

A síndrome ocorre quando o nervo mediano é comprimido dentro desse túnel. Nervo é uma estrutura muito delicada composta por prolongamento de neurônios que se comunicam com o cérebro e medula espinhal, e não toleram lugares apertados. O nervo então começa a sofrer causando os sintomas de dor em queimação, choques, formigamento no território do nervo, e nos casos mais severos perda de sensibildade (dormência) e perda de força muscular gerando fraqueza na mão e atrofia muscular.

Qual a causa? Por que eu tenho isso?

Não existe uma causa única, a síndrome se desenvolve com a contribuição de vários fatores de risco. Dentre eles: Anatomia. Pessoas com túnel de menor tamanho ou com alterações anatômicas. Dano ao nervo. Doenças que acometam o nervo podem propiciar a compressão como diabetes. É mais comum no sexo feminino, e a Obesidade é um outro fator de risco conhecido. Retenção de líquidos como ocorrem na gravidez e menopausa, por exemplo. Outras doenças como hipotiroidismo e doença renal crônica, também podem contribuir. Fatores comportamentais e trabalhistas como uso constante da mão em posições de extrema flexão e extensão, vibrações, movimentos repetitivos podem contribuir, mas não está provado que um determinado trabalho específico isoladamente possa causar a doença.

O grande problema da síndrome se deve a incapacidade do nervo mediano se recuperar após compressão prolongada, por meses ou anos.

Como já foi dito o nervo é uma estrutura delicada, e a perda de sensibilidade e de força  não conseguem se recuperar totalmente, gerando sequelas caso não seja tratada de forma eficaz e precoce. Portanto, caso apresente esses sintomas, não perca tempo e procure um especialista.

Muitos pacientes percebem piora dos sintomas de dor, formigamento e dormência durante a noite, ao acordar, muitas vezes interrompendo o sono, ou ao utilizar a mão em determinadas posições. Isso ocorre pois a flexão do punho aumenta a pressão dentro do túnel, exacerbando os sintomas. E é o que ocorre durante o sono. Baseado nesse fato utilizamos como principal forma de tratamento não cirúrgico a órtese noturna, que mantem o punho em neutro ou discreta extensão durante o sono, evitando a compressão do nervo.

A órtese deve ser rígida, como a da foto ao lado. Existem vários modelos similares no mercado, mas todas elas devem estabilizar o punho e evitar sua flexão. Entretanto a ortese deve ser usada somente durante a noite para dormir, não deve ser utilizada 24 horas por dia para não causar outros problemas como rigidez articular.

ENMG

O diagnóstico da síndrome é clínico e não é necessário nenhum exame específico.

Entretanto, existe um exame que auxilia em casos duvidosos, em que outras doenças podem estar sobrepostas, ou em determinadas situações nas quais o médico gostaria de quantificar o nível de acometimento nervoso.

Esse exame é a Eletroneuromiografia (ENMG). É um exame valioso em determinadas situações mas é um pouco incômodo.  Ele testa a função do nervo atraves de estimulos elétricos com agulhas bem finas.

Quando o paciente não apresenta melhora com o uso da órtese, a eletroneuromiografia mostra um acometimento importante do nervo, ou quando é detectado na consulta perda de sensibilidade da mão ou de força muscular o tratamento mais eficaz é a cirurgia.

Lembra do ligamento transverso que forma o teto do túnel? Esse ligamento encontra-se espessado e comprimindo o nervo. Durante a cirurgia é realizada a incisão desse ligamento, abrindo o túnel e descomprimindo o nervo e deixando espaço suficiente para o nervo voltar a ficar relaxado.

O alívio dos sintomas dolorosos quase sempre é excelente, e até mesmo alguma função do nervo pode se recuperar. Contudo, nos casos de longa data possivelmente algum grau de sequela, como diminuicão de sensibilidade e perda de força, podem  permanecer.

carpal-tunnel-a5

Quer saber mais?

Clique ao lado para saber todos os detalhes sobre a cirurgia, reabilitação pós-operatória, suas possíveis complicações, cicatriz e cuidados

error: Conteúdo protegido, caso queira compartilhar algo entre em contato.